TOPO
  • 11/08

    Será possível estarmos em vários locais ao mesmo tempo? A física clássica diz que não, mas uma empresa de aviação comercial promete levar os seus passageiros de um lado ao outro da terra em menos de três horas. Não é bem a mesma coisa, mas igualmente incrível.

    Imagine estar em Tóquio a negócios e receber uma ligação urgente sobre uma apresentação em menos de quatro horas, em Londres. Que tal pegar um avião e acompanhar pessoalmente? Parece impossível, mas em breve estaremos cruzando o globo em tal velocidade que esse cenário será possível. Uma proposta inovadora que promete vôos intercontinentais rápidos e sustentáveis.

    Recentemente, a EADS (sigla em inglês de European Defense and Space, surgida da recente da fusão de outras três empresas da França, Espanha e Alemanha), famosa fabricante do Airbus A380, o maior avião comercial de passageiros da história, lançou um projeto chamado Zehst, ou Sistema Hipersônico de Transporte Emissão Zero, em português. O ambicioso projeto foi desenvolvido com a intenção de se criar um meio de transporte super veloz e eficiente, capaz de cruzar o planeta de uma ponta a outra em poucas horas. Isso não seria uma grande evolução, se não fosse por um detalhe importante: o projeto promete ser absolutamente sustentável, utilizando-se de biocombustíveis e motores que promovem a queima limpa de gases e liberam vapor de água.

    O conceito de alta velocidade utilizado pelo Zehst não é novo. Baseia-se nos sistema de estágios, semelhante ao dos foguetes e ônibus espaciais. No projeto da EADS, a queima se dá através de três motores, abastecidos por combustíveis diferentes, e responsáveis cada um por um trecho específico da subida. O primeiro estágio, a subida, utiliza dois turbofans, nome técnico para a popular turbina, que impulsionaria a aeronave quase verticalmente durante a subida até uma velocidade próxima à do som. Os turbofans são abastecidos por um biocombustível à base de algas. Depois, entrariam em ação dois propulsores de foguete abastecidos por enormes tanques de hidrogênio e oxigênio, que ocupam grande extensão do aparelho, até uma velocidade de quase três vezes a velocidade do som, ou Mach 2,5. Por último, a velocidade de cruzeiro é atingida quando entram em funcionamento os Ramjets, que são dois motores de propulsão comumente utilizados em foguetes e que se localizam por baixo das asas.

    A velocidade de cruzeiro do Zehst pode chegar a quase cinco mil quilômetros horários. Sim, você não leu errado. Enquanto a maioria dos aviões comerciais voa a cerca de oitocentos quilômetros por hora, ou 430 nós, o novo meio de transporte visa transpor a barreira da velocidade do som em quatro vezes. Apesar disso, a EADS garante que os passageiros terão conforto, com a ambientação da cabine e com poltronas que acompanharão a forte inclinação da nave durante as decolagens e aterrissagens.

    Apesar de fantástica, e ainda em desenvolvimento, a proposta tem se mostrado factível e anda animando as empresas de transporte aéreo comercial. Muito embora a aeronave vá possuir poucos assentos para passageiros, a possibilidade de voar distâncias enormes em poucas horas agradaria a muitos executivos e celebridades, que têm uma necessidade cada vez maior de estar em pontos diferentes da Terra em um mesmo dia. É a tecnologia trabalhando para levar o homem cada vez mais perto de um dos aspectos que mais se têm invejado a Deus: a onipresença.


    Fonte: Eads
    Segue aí: @JuniorChioratto

    tags: , , , , , , , , , ,

    Leia também:
  • Comentários

    Veja posts legais de outros blogs