TOPO
  • 27/11

    Boca Juniors 

    A Nike lançou oficialmente um novo uniforme alternativo para o Club Atletico Boca Juniors, para o restante da temporada 2017-2018, em que o clube lidera a Superliga Argentina de Fútbol.

    O novo uniforme é inspirado em um dos cartões postais de Buenos Aires, a rua Caminito, no bairro La Boca e em sua arquitetura única.

     

    Boca Juniors 

    Boca Juniors 

    Boca Juniors 

    Boca Juniors 

    O novo manto traz a cor azul marinho e tem na região do peito diversas linhas horizontais na cor azul royal, representando a arquitetura das casas presentes na Caminito.

    Logo abaixo é colocada uma faixa horizontal, tradicional do Boca, na cor predominante, e abaixo dela, várias linhas verticais, também em azul royal. As laterais e axilas possuem a cor azul celeste, também vista na nuca, enquanto as mangas são lisas na cor predominante.

     

    A Nike estampa uma versão azul celeste de sua logomarca no lado direito do peito, enquanto o escudo do Boca é colocado no lado esquerdo, em sua versão atual padrão.

     

    Boca Juniors 

    Boca Juniors 

    Completam o uniforme, calção e meiões na cor azul marinho.

     

    Via Mantos do Futebol.

  • 09/11

    Neymar 

    Grupo fechado. Eis um daqueles chavões usados para qualquer coisa no futebol.

    Time está mal das pernas perigando cair? Fecha o grupo, não fala com a imprensa, contra tudo e contra todos.

    Time perto de ganhar um campeonato? Fecha o grupo, não fala sobre o título, não fala com a imprensa, com a mãe nem o cachorro.

    O problema é que muitas vezes um grupo se fecha tanto que acabando sufocando os (enormes) egos dos jogadores.

    Muitas vezes isso acaba implodindo a equipe, demitindo técnicos ou até mesmo demitindo uma barca de jogadores no meio da temporada.

    Em outras situações, esses grupos entendem que eles podem se odiar fora de campo, mas dentro podem ser protagonistas de momentos históricos.

    Inspirado na “briga” entre Neymar e Cavani, lembramos alguns times que se odiavam profundamente entre si, mas que são amados eternamente nos corações dos torcedores.

     

    Real Madrid 1959-60

    Neymar

    O Real já era tetracampeão da Europa quando contratou Didi, eleito melhor jogador da Copa de 1958.

    Ele faria um trio de sonhos com Puskás, da mítica Hungria da Copa de 1954, e o argentino Di Stéfano, o dono do time em campo e fora dele.

    Irascível e talentosíssimo, Di Stéfano corria pelo campo todo por 90 minutos e exigia dos outros a mesma garra – quase sempre xingando.

    Já Didi sempre teve um estilo clássico, lento e cadenciado, preferindo dar passes e chutes precisos a sair correndo. Bastaram poucos jogos da temporada 1959-60 para Di Stéfano perder a paciência e exigir que o brasileiro fosse sacado.

    Para complicar, Guiomar, a mulher de Didi, procurou a imprensa para acusar o argentino de ciúmes, racismo e sabotagem, o que só piorou a situação.

    No fim, voltou para o Botafogo depois de apenas 19 jogos, todos pela liga espanhola e nenhum pela Copa dos Campeões da Europa, que o Real ganhou de novo naquela temporada.

    No livro The Real Deal: A History of Real Madrid, o autor Jimmy Burns conta: “Di Stéfano diria depois que Didi simplesmente não lutava o bastante pela bola e a perdia muito facilmente”.

     

    Palmeiras 1993-94

    Neymar

    A rica parceria com a Parmalat encheu o Palmeiras de craques. E de egos.

    No núcleo duro de Antônio Carlos, Roberto Carlos, Edílson, Edmundo e Evair, várias antipatias, silêncios de desprezo e bate-bocas aconteciam nos bastidores.

    Até mesmo brigas físicas: nos intervalos de duas partidas diferentes, Edmundo trocou socos com Antônio Carlos e, em outra oportunidade, com Edílson – hoje em dia, com todos aposentados como jogadores, vários integrantes daquele time vêm abrindo esses casos para a imprensa.

    O técnico Vanderlei Luxemburgo deixava que eles se virassem e dizia que só tiraria brigões do time se eles não trocassem passes em campo.

    E assim toda essa tensão resultou no fim do jejum de 17 anos sem títulos e nos bicampeonatos paulista e brasileiro.

     

    Corinthians 1998-2000

    Neymar

    Outro time com a soma de ódios, talentos e egos.

    Rincón e Marcelinho Carioca eram os protagonistas: brigaram entre si (o gigante colombiano arremessou o pequeno carioca contra um armário no vestiário do estádio do San Lorenzo, na Argentina) e com outros.

    Rincón trocou socos com Mirandinha e peitadas com Edílson. E Edílson já confessou que, depois de um treino, correu atrás de Marcelinho com uma faca – só para assustar…

    Esse poço de inimizades rendeu o bi no Brasileirão e o título do primeiro Mundial de Clubes da Fifa em 2000.

    Desmanchou-se em seguida, com direito a um P.S. em 2001: Marcelinho espalhou para o grupo que Ricardinho era dedo-duro, foi devidamente desmentido e acabou expulso do clube.

     

    Veja mais curiosidades sobre futebol!

     

    Manchester City 2011-12

    Neymar

    Comprado em 2008 pelo xeique Mansour, dos Emirados Árabes, para voltar a ser um time grande, vencedor e cheio de estrelas, o City finalmente engrenou em 2011-12, disputando ponto a ponto a liderança da Premier League inglesa com o rival Manchester United.

    Mas, na reta final, o temperamental italiano Mario Balotelli começou a encrencar. Em treinos, se desentendeu com Jerome Boateng e Micah Richards.

    Discutiu com Kolarov em campo numa derrota para o Swansea e se engalfinhou com Yaya Touré no intervalo de um empate com o Sunderland.

    Mesmo com Balotelli criando problema e com esses tropeços, o City chegou ao último jogo dependendo de si mesmo. E foi campeão depois de 43 anos numa virada que parecia roteiro de filme, com dois gols nos acréscimos.

     

    Via VIP.

  • 04/10
  • 13/07

    Wilfred Minter 

    O futebol é um dos esportes que mais mexe com as emoções dos torcedores. Agora, já imaginou acompanhar uma partida com 15 gols? E o pior de tudo: ver o artilheiro que marcou praticamente metade deles sair derrotado. Essa história maluca aconteceu em 1922, na Copa da Inglaterra, e envolveu os times St. Albans City e Dulwich Hamlet.

     

    A partida aconteceu no dia 22 de novembro de 1922 e foi iniciada às 15h. O Dulwich, de Londres, marcou o primeiro gol, mas não contava com um herói do time adversário: Wilfred Minter. O cara foi lá e virou o jogo, metendo logo 3 gols de uma só vez. Se acabasse por aí, ele já poderia pedir música para o “Fantástico” da época, mas o destino ainda seria cruel com o jogador.

     

    O Dulwich consegui virar novamente a partida, mudando o placar para 5 a 3. Acontece que o St. Albans, que atualmente disputa a 6ª divisão do campeonato inglês, estava disputando a partida com um jogador no lugar do goleiro e precisava contar com o talento de sua única estrela para tentar não levar uma goleda.

     

    Wilfred Minter 

    E Wilfred Minter não se fez de rogado. O cara, que em toda a sua trajetória no clube fez 356 gols em 362 partidas, estava inspirado naquele dia e queria pedir DUAS músicas no “Fantástico”. Para isso, ele foi lá e meteu mais 3 gols, novamente virando a partida para 6 a 5. A história poderia acabar por aí, mas o Dulwich empatou e levou o duelo para a prorrogação.

     

    O jogo acontecia no estádio do Dulwich, que conseguiu mais uma virada no começo da prorrogação, obrigado Wilfred a lutar ainda mais! E não é que ele conseguiu? Empatou de novo, agora em 7 a 7, fazendo o St. Albans tentar segurar esse resultado até o final – caso acabasse assim no tempo extra, outro jogo seria necessário, mas desta vez na casa do St. Albans.

     

    Veja mais curiosidades sobre o mundo dos esportes!

     

    Mas não deu certo… No último minuto, o Dulwich sacramentou a derrota do St. Albans, em uma partida que colocaria Wilfred nos recordes mundiais como o jogador que mais fez gols em uma só partida sem com isso dar a vitória a seu time. Os 4 mil torcedores presentes, a maioria do Dulwich, presenciaram algo inédito e até hoje nunca superado. Ao menos eles também tiveram um artilheiro, já que um jogador chamado Davis fez a metade dos gols de seu time.

     

    Via Mega Curioso.

  • 01/05

    O boxe é a modalidade que mais aparece na tela do cinema, mas não é a que mais arrecada. Entre os esportes que foram temas centrais dos filmes de Hollywood, o campeão de bilheteria só poderia ser o mais popular entre os norte-americanos. Veja o ranking a seguir:

     

    1. Futebol americano

    Filmes: 45 (desde 1975)
    Bilheteria total: US$ 1,5 bilhão
    Segundo os dados de abril de 2017 do site Box Office Mojo, especializado em bilheterias, a bola oval lidera a arrecadação entre os filmes sobre esporte em Hollywood. Em boa parte graças a “Um Sonho Possível”, de 2009, baseado em fatos reais do jogador Michael Oher (atualmente no Carolina Panthers) o mais bem sucedido do gênero: só ele faturou US$ 256 milhões.

     

    2. Boxe

    Filmes: 51 (desde 1976)
    Bilheteria total: US$ 1,4 bilhão
    A série Rocky ficou com todos os lugares do pódio das maiores bilheterias do boxe. Em terceiro lugar, “Rocky, um Lutador” (1976). Em segundo, “Rocky 3” (1982). E em primeiro lugar, “Rocky 4”, de 1985, com faturamento de US$ 127 milhões.

     

    3. Beisebol

    Filmes: 47 (desde 1982)
    Bilheteria total: US$ 1,1 bilhão
    O filme “Uma Equipe Muito Especial”, de 1992, se inspirou na criação da liga feminina de beisebol nos Estados Unidos e é o filme mais bem sucedido sobre o esporte, com arrecadação de US$ 107 milhões. O elenco foi estrelado por Madonna, Geena Davis e Tom Hanks.

     

    4. Basquete

    Filmes: 46 (desde 1982)
    Bilheteria total: US$ 687 milhões
    “Space Jam: O Jogo do Século”, de 1996, reuniu Michael Jordan e a turma do Pernalonga para se tornar o filme de basquete com maior sucesso nas bilheterias: US$ 90 milhões. O segundo lugar é de outro clássico: “Homens Brancos Não Sabem Enterrar”, de 1992, com US$ 76 milhões arrecadados.

     

    5. Hóquei no gelo

    Filmes: 16 (desde 1977)
    Bilheteria total: US$ 389 milhões
    “Desafio no Gelo”, de 2004, conta a história da vitória dos Estados Unidos sobre a favorita União Soviética nos Jogos de Inverno de 1980. Produzido pela Disney, o filme arrecadou US$ 64 milhões e seguiu na liderança da modalidade mesmo depois do sucesso de “O Fada do Dente” (2010), que chegou a US$ 60 milhões.

     

    6. Surfe

    Filmes: 26 (desde 1983)
    Bilheteria total: US$ 222 milhões
    O filme de surfe que mais fez sucesso é uma animação: “Tá Dando Onda”, de 2007, com US$ 58 milhões faturados. “Soul Surfer – Coragem de Viver” (2011) vem logo atrás: a produção conta a história real da surfista norte-americana Bethany Hamilton, que superou a perda de um braço depois de um ataque de tubarão.

     

    Veja mais posts curiosos como esse!

     

    7. Golfe

    Filmes: 10 (desde 1980)
    Bilheteria total: US$ 203 milhões
    “O Jogo da Paixão” (1996), estrelando Kevin Costner e Rene Russo, é o filme sobre golfe de maior bilheteria: US$ 53 milhões.

     

    8. Futebol

    Filmes: 25 (desde 1981)
    Bilheteria total: US$ 188 milhões
    O esporte mais popular do planeta não faz tanto sucesso assim nas telonas. O líder de bilheteria é a comédia “Papai Bate um Bolão” (2005), com Will Ferrell e Robert Duvall: US$ 52 milhões. O clássico “Fuga para a Vitória” (foto), de 1981, com Pelé e Sylvester Stallone, está apenas em sétimo lugar, com US$ 10,8 milhões de arrecadação na época.

     

    Via UOL.

Página 1 de 3312345...102030...Última »