TOPO
  • 30/06

    Selena Gomez 

    Selena Gomez já foi conhecida por seu relacionamento com o dinossauro Barney e com Justin Bieber. Livre de toda essa porcaria pré-histórica, ela lançou um disco sexy, de sucesso avassalador, e fez cinema com Seth Rogen e James Franco. Mas, para falar a verdade, o que a gente gosta mesmo nela é o seguinte: a atriz e cantora sobreviveu ao furacão da fama infantil – aos monstros e paparazzi, aos traumáticos fins de relacionamento, à rotina absurda – e emergiu de tudo isso mais humana do que nunca.

     

    Aos 23 anos, ela teve uma vida totalmente surreal, mesmo para padrões de celebridades. Uma vida marcada, em grande parte, por decisões tomadas quando ela ainda era adolescente. Escolhas importantes, de grandes consequências: tornar-se atriz mirim no programa Barney, com um sorriso permanente no rosto (opção feita aos 10 anos de idade); assinar um contrato de exclusividade com a Disney para a série infantil Os Feiticeiros de Waverly Place (aos 15); e, finalmente, namorar seu colega de elenco Justin Bieber (aos 18). À época, Bieber era um rapaz aparentemente inocente, que passaria de celebridade do YouTube com cara de bebê a marmanjo tatuado – tudo isso no intervalo de quatro anos de idas e vindas do relacionamento.

     

    Selena Gomez 

    Imagine que um dia – e isso aconteceu com Selena Gomez há algumas semanas – você se transforme na maior celebridade do Instagram, com 85,8 milhões de seguidores. Quem é essa gente toda?! Muitos são fãs desde os velhos tempos, principalmente jovens mulheres. O contingente de homens adultos é assustador, e talvez seja melhor nem pensar no que eles procuram.

     

    Aos 23 anos, ela está louca para se despir de sua pele antiga – afinal de contas, é isso que as pessoas fazem aos 20 e poucos anos. Louca para se transformar numa pessoa nova, mais complexa, mais interessante. Imagine sobreviver a uma internação numa clínica de reabilitação – não por dependência química, mas traumas emocionais, depois do fim de namoro com Justin. Imagine ter uma doença autoimune e debilitante, lúpus, diagnosticada há três anos. Imagine fazer tudo isso enquanto uma montanha de gente – a indústria multimilionária da fofoca, fãs, jornalistas bem parecidos com este que vos fala agora – arremessa contra você acontecimentos de sua própria vida.

     

    Selena Gomez 

    No ano passado, Selena lançou um disco best-seller, Revival, com duas músicas que ficaram na lista das top 10 até fevereiro de 2016; além disso, fez uma ponta matadora na cena da mesa de cassino em A Grande Aposta, anunciou uma série de TV própria na Netflix, com direção de Tom McCarthy (o mesmo de Spotlight), e em breve vai aparecer no filme Vizinhos 2. Tudo muito bonito. Muito impressionante.

     

    Mas o que interessa em Selena Gomez neste momento, em 2016, é que, a despeito do mundo artificial e irreal de onde essa garota vem, ela está fazendo de tudo para se tornar uma mulher normal. Traduzindo: para se tornar um ser humano, uma figura pública mais confortável com a escala titânica adquirida em sua curta e intensa existência na Terra.

     

    Selena Gomez 

    “Sou jovem, e pareço mais jovem ainda.” diz Selena Gomez.

     

    Ela já apareceu em mais de dez filmes, alguns realmente bons: lembra de Selena em Spring Breakers – Garotas Perigosas, de Harmony Korine (do qual ela se orgulha muito), onde aparece dividida entre Deus e James Franco? Mesmo diante desse histórico, refere-se à própria carreira no cinema como se ainda estivesse apenas começando. Sem nenhum constrangimento, afirma que seu rosto é um dos grandes obstáculos a superar. E é verdade. Selena lembra as crianças das pinturas italianas; tem um rosto tão redondo, tão rafaelita que poderia ser um daqueles anjos de olhar entediado que vemos no cantinho da Madona Sistina. Ela já conseguiu muita coisa com esse rosto, e sabe disso. Porém, de certa maneira, esse rosto já deu.

     

    “Sou jovem, e pareço mais jovem ainda. Os papéis que pego têm muita relação com meu rosto. Posso fingir que tenho 16 anos. Só que essa cara não funciona mais para as coisas que realmente quero fazer.” E o que você quer fazer, Selena? “Quero uma experiência que me deixe meio louca. Gosto de extrapolar limites.” Selena Gomez promete.

     

    Via GQ.

    tags: , , , , ,

    Leia também:
  • Comentários

    Veja posts legais de outros blogs