TOPO
  • 10/07

    Na luta pela atenção dos consumidores, os grandes fabricantes de televisores têm pela frente um grande desafio para levar imagens tridimensionais de qualidade e sem a necessidade da utilização de óculos especiais para o ambiente doméstico. O que esperar em um futuro próximo dos Televisores 3D e quais suas principais tecnologias.

    Os óculos 3D acabaram por se tornar a única opção daqueles que desejam um espetáculo televisivo mais real, mas aparentemente os seus dias estão contados. Feios e desconfortáveis, eles limitam os movimentos e atrapalham até mesmo o namoro na sala de cinema. Considerando a invasão de TVs domésticas em 3D esperada para esse ano, é possível imaginar os incômodos que os tais óculos possam causar no ambiente doméstico. Ter de procurar seus óculos especiais toda vez que se sentasse para ver TV é quase o mesmo de ter que colocar fones de ouvido toda vez que desejássemos ouvir uma música no rádio. E imagine sentar-se no sofá e descobrir que acaba de partir no meio as lentes de seu óculos 3D?

    Porque, afinal, utilizamos os tais óculos? Até o momento, a tecnologia 3D à disposição no mercado exige a utilização dos tais óculos que tem como função “enganar” os olhos, fazendo com que cada um deles veja um dos lados da imagem, criando para o cérebro a falsa sensação de que as imagens saltam da tela. Essa sensação, no entanto, por ser antinatural acaba gerando certo desconforto visual depois de algum tempo, causando irritação visual e até mesmo enjôos. Por conta disso, a indústria de eletrônicos trabalha a todo vapor para desenvolver uma tecnologia que possibilite ao olho humano “ver” o efeito 3D nas telas dos televisores da mesma maneira que a profundidade é percebida no dia-a-dia: De maneira natural. Embora ainda leve algum tempo para que a tal tecnologia da TV 3D sem óculos esteja disponível no mercado, já é possível conhecer um pouco mais sobre as prováveis tecnologias que deverão entrar em nossas casas nos próximos anos.

    Uma das principais tecnologias pesquisadas para produzir o efeito 3D tem um nome que nos remete a um aparelho de última geração saído de algum episódio de Star Trek. Trata-se do efeito conhecido como Barreira Parallax. Para os aficcionados por games, no entanto, o nome não soa estranho. Parallax é o efeito que foi largamente utilizado por games 2D no final da década de 80 para criar a sensação de movimentação e profundidade utilizando objetos em velocidade e tamanhos diferentes. No caso da Barreira Parallax das TVs 3D, o efeito é obtido através de barras paralelas que se movimentam em diferentes posições no ecrã LCD, mostrando imagens diferentes para cada um dos olhos, o que cria a sensação de profundidade e movimento. A tecnologia seria promissora, não fosse o fato de que o efeito só funciona de uma determinada posição, o que limita absurdamente a liberdade do telespectador. Imagine não poder se deitar no sofá durante um filme? Além disso, a tecnologia é limitada no que diz respeito ao tamanho do visor e brilho da imagem.

    Outra tecnologia, essa velha conhecida dos remanescentes dos anos 80 é baseada nas Lentes lenticulares, que nada mais são do que lentes que são posicionadas de modo a serem vistas de maneiras diferentes por cada um dos olhos, como aquelas revistas em que ao movimentarmos as páginas os personagens mudavam de posição. No caso da tecnologia para TVs domésticas, cada imagem é exibida em graus ligeiramente diferentes para cada um dos nossos olhos, o que cria uma sensação mais espontânea de profundidade, e permite mais ângulos de visualização. Embora promissora, a tecnologia das lentes lenticulares ainda engatinha, principalmente nos modelos de grandes dimensões e de alta resolução. Para se ter uma idéia, o maior modelo disponibilizado até o momento tem uma tela de 12 polegadas e uma resolução de apenas 466 pixels (pontos) horizontais por 350 pixels verticais. Muito pouco, perto dos atuais modelos de TV de alta definição que entregam até 1920 por 1080 pixels.

    Outra tecnologia promissora é conhecida como Head Tracking, ou rastreamento de cabeça. Essa tecnologia consiste em uma câmera que localiza os olhos do telespectador e com isso consegue direcionar as imagens mesmo quando ele movimenta a cabeça. O efeito é sensacional, embora até o momento essa tecnologia se limite a criar o efeito em apenas uma pessoa por vez. Essa tecnologia também é uma as bases da pesquisa dos Televisores Holográficos que, embora ainda pareçam distantes, possam vir a se tornar comuns em um futuro bem próximo.

    Embora todas as tecnologias tenham potencial para se tornar o próximo padrão de TV 3D, sem dúvida sairá na frente àquela que entregar aquilo que deseja toda pessoa que se senta na frente de um televisor: Cores e imagens deslumbrantes, desfrutadas tranquilamente do conforto de sua poltrona sem a necessidade de acessórios ou ângulos específicos. Afinal de contas, existirá prazer maior de que um bom cochilo em frente à TV?


    Fonte: Obvious.org
    Segue aí: @JuniorChioratto

    tags: , , , , , , , , , , , , , ,

    Leia também:
  • Comentários

    Veja posts legais de outros blogs